17 abril 2016

Coesão textual

Posted by Blog Café Contexto On 09:09 2 comments

Para os meus alunos da disciplina Comunicação Empresarial, dos cursos de Ciências Contábeis, Processos Gerenciais, Administração e Enfermagem, segue um breve resumo sobre os tipos de coesão, conteúdo do 1º bimestre/2016.
 
A coesão sequencial se refere ao desenvolvimento textual propriamente dito por procedimentos de manutenção e progressão temática. Na prática, é aquela que se estabelece por meio de conectivos, cuja função é, basicamente, ligar as frases e estabelecer uma relação de sentido entre elas. Na sequência textual, as frases transcritas  estão articuladas por meio de conectivos que estabelecem diferentes relações de sentido: adição, concessão, conformidade, comparação, causa e outros.
Exemplo: 

Último a votar diz ter 'inclinação' e sofrer pressões; primeiro já decidiu. 

Observe a função do conectivo e na sequência textual.

Já a coesão recorrencial, caracteriza-se  pela repetição de algum tipo de elemento anterior. Essa repetição não funciona como na coesão referencial, quando fazemos alusão a um mesmo referente, mas sim como uma “lembrança” de um mesmo padrão. Ela pode aparecer de várias formas, seja através da repetição vocabular, utilizando-se de recursos fonológicos, seja pela praráfrase, visando sempre a reiteração das ideias. 

"Golpistas, machistas, filhos da ditadura, pais da ditadura", acusava Vieira quando iniciaram reações exaltadas de deputados favoráveis ao impeachment. "Cale a boca deputado! Me respeite, me respeite! Eu estou na tribuna

Nos dois textos acima, temos  exemplos de como a coesão funciona na coesão textual, ligando as ideias e, em outros casos, de forma enfática, contribuem para a manifestação do discurso político.
 
A coesão sequencial é obtida, principalmente, por meio dos elementos de ligação que proporcionam as relações necessárias à integração harmoniosa de orações e parágrafos em torno de um mesmo assunto (eixo temático).
Relacionamos abaixo os elementos de coesão mais usuais, agrupados pelo sentido, Estes elementos são conhecidos na gramática tradicional como conjunções, advérbios etc e, na Linguística Textual, como operadores argumentativos.
  • Prioridade, relevância: principalmente, primordialmente, sobretudo, em primeiro lugar, antes de mais nada, primeiramente, acima de tudo.
  • Tempo (ordem, sucessão, anterioridade, posterioridade): finalmente, agora, atualmente, hoje, frequentemente, constantemente, às vezes, eventualmente, por vezes, ocasionalmente, sempre, raramente, não raro, ao mesmo tempo, simultaneamente, a princípio, pouco antes, pouco depois, anteriormente, posteriormente, em seguida, afinal, por fim.
  • Semelhança, comparação: igualmente, da mesma forma, assim também, do mesmo modo, similarmente, analogamente, por analogia, de maneira idêntica.
  • Conformidade: conformidade com, de acordo com, segundo, conforme, sob o mesmo ponto de vista, tal qual, tanto quanto, como, assim como, bem como.
  • Condição, hipótese: se, caso, salvo se, contanto que, desde que, a menos que, a não ser que etc.
  • Adição, continuação: e, além disso, ademais, por sua vez, outro ponto, mais (grave) ainda, ainda mais, também, mas também, constata-se também, vale frisar ainda, vale lembrar também.
  • Dúvida: provavelmente, possivelmente, é provável.
  • Certeza, ênfase: de fato, por certo, certamente, indubitavelmente, inquestionavelmente, sem dúvida, obviamente.
  • Ilustração, exemplificação, esclarecimento: por exemplo, isto é, em outras palavras, ou por outra, a saber, haja vista.
  • Propósito, intenção, finalidade: com o fim de, a fim de, com o propósito de, para que, afim de que.
  • Resumo, recapitulação, conclusão: em suma, em síntese, enfim, em resumo, portanto, assim, dessa forma, dessa maneira, logo, afinal, está claro que.
  • Causa: em virtude de, por causa de, devido a, é resultado de.
  • Consequência: consequentemente, por consequência, como resultado, por isso, assim, como efeito, de sorte que, de modo que, de forma que, de maneira que.
  • Explicação: porque, porquanto, pois, já que, uma vez que, visto que.
  • Contraste, oposição: por outro lado, paradoxalmente, pelo contrário, caso contrário, em contraste com, mas, porém, contudo, todavia, entretanto, no entanto.
  • Restrição, ressalva: embora, apesar de, ainda que, mesmo que, posto que, conquanto, se bem que, por mais que, por menos que, não obstante.
     Durante a semana, teremos outros tópicos. Bom trabalho e sigam confiantes.

    Professora Mestre Marília Pereira Mendes
     Língua Portuguesa e Comunicação Empresarial
    FIBH-Faculdade ISEIB de Belo Horizonte
Referências:
 1. http://g1.globo.com/politica/processo-de-impeachment-de-dilma/noticia/2016/04/parlamentares-batem-boca-durante-sessao-do-impeachment-na-camara.html

2 comentários :

Professora, que blog bonito. Nossa!Parabéns.
Abraço
Tânia Avelar

Professora Marília,
é preciso conhecimento amplo e antenado com os fatos para criar uma página assim e um tanto mais de delicadeza para apresentá-la com êxito. Parabéns!
Professor Walter Burgion.

Postar um comentário

O Café Contexto agradece a sua visita!

Café Expresso