13 março 2016

Resumo da palestra na ALMG

Posted by Blog Café Contexto On 08:15 1 comment

Depois da palestra proferida sábado, no auditório da ALMG, tornou-se significativo postar um resumo do assunto tratado, bem como esclarecer a maneira como as expressões idiomáticas comportam-se na língua materna. As orientações são teóricas e os exemplos encontram-se na apostila nº 02.

 Para muitos estudiosos (cf. TAGNIN, 1989; XATARA, 1998; FERRAZ, 2004), as EIs consistem em unidades complexas, de caráter conotativo, cujo significado foi convencionalizado pela comunidade linguística em razão de sua frequência. Corpas Pastor (1996, p. 88) nos ensina que as locuções são unidades fraseológicas do sistema de linguagem com as seguintes características distintivas: unidade de fixação interna de significado e fixação externa pasemática. A autora nos mostra as três características que são essenciais para identificar uma locução: 
*fixação interna (pouca possibilidade de variação); 
*unidade de significado (composta por mais de um elemento, mas tem significado único)
*fixação externa pasemática (algumas expressões são usadas de acordo com o papel dos falantes no ato comunicativo).

Nogueira (2008) postula que as EIs são unidades complexas, ou seja, construções formadas por mais de um elemento e possuem alto grau de fixidez, o que torna sua decomposição mais difícil.  Em geral, as EIs são consideradas pluriverbais, já que apresentam o formato multinuclear e são compostas por mais de uma palavra plena. O grau de fixidez está relacionado à forma sintática desses elementos. 

 Quanto à conotatividade, as EIs são essencialmente motivadas pela metáfora. Sabemos, contudo, que algumas expressões variam de tal forma que permitem algumas trocas em suas estrutura (permuta verbal), admitem a forma de negação. Em outros casos, podem ser inseridos novos itens lexicais em sua composição.
Levando em consideração a contribuição de Xatara (1998), identificamos que a expressão idiomática é uma lexia complexa porque tem o formato de uma unidade locucional ou frasal; indecomponível porque constitui uma combinatória fechada, de
distribuição única ou distribuição bastante restrita; conotativa porque sua interpretação semântica corresponde a, pelo menos, um primeiro nível de abstração calculada, a partir da soma de seus elementos, sem considerar os significados individuais destes; cristalizada porque sua significação é estável, em razão da frequência de emprego, o que a consagra.

Segundo Xatara e Oliveira¹ (2002):
Definimos idiomatismo ou expressão idiomática (EI) como “toda lexia complexa indecomponível, conotativa e cristalizada em um idioma pela tradução cultural”, baseando-nos, entre tantas outras teorias lexicais, nas de Biderman
(1978), Chafe (1979), Danlos (1981), Gross (1982), Carneado Moré, Corbin (1983), Rwet (1983), Tagnin (1988) e Lodovici (1989), bem como nas considerações levantadas por Xatara em pesquisas anteriores (1994 e 1998). (XATARA;
OLIVEIRA, 2002, p.57)

A partir dessa definição, entende-se que uma expressão idiomática “é uma unidade locucional ou frasal que constitui uma combinatória fechada, de distribuição única ou distribuição bastante restrita” (XATARA; OLIVEIRA, 2002, p.57). São apresentadas como sintagmas complexos, não possuem paradigmas, isto é, são caracterizadas pelo fator de inalterabilidade e de fixidez de seus elementos. 


Considerando a expressão idiomática como uma unidade fraseológica, o significado deve ser depreendido na totalidade da UF que se tornará una, com significado próprio e peculiar. Usando diferentes estratégias linguísticas, podemos reconhecer na criação expressiva do texto do jornal Super Notícia, fraseologismos idiomáticos como componentes específicos que interessam ao meu projeto de pesquisa e, no caso, à palestra em questão.
Em conformidade com o discurso apresentado no último sábado, ainda sugiro alguns autores para que aprofundem no assunto, caso seja interesse de algum participante.
Agradeço a todos mais uma vez com um leve "até breve".
                                        Professora Marília Mendes
(Mestre em Linguística Aplicada e Expecialista em Leitura e Produção de Texto)

Referência principal

Mendes, Marília Pereira. O componente fraseológico no jornal Super Notícia a partir da perspectiva variacionista [manuscrito] / Marília Pereira Mendes. 2015.

Outras características das expressões idiomáticas que não foram adotadas no nosso estudo por não terem sido consistentes na linguagem jornalística do Super, estão em 
CUNHA, Aline Luiza da. Expressões idiomáticas: da linguagem publicitária para a sala de aula.2012.115f.
XATARA, C. M.; OLIVEIRA, W. A. L. Dicionário de provérbios, idiomatismos e palavrões francêsportuguês/português-francês. São Paulo: Cultura, 2002.

1 comentários :

Professora,

seu blog é muito bom mesmo. Adoramos sua palestra e seu investimento em um jornal que hoje é o mais vendido do país.
César da ALMG.

Postar um comentário

O Café Contexto agradece a sua visita!

Café Expresso