20 dezembro 2015

Para onde vamos?

Posted by Blog Café Contexto On 17:34 2 comments

Fechamos 2015 com muita dedicação. Terminamos uma primeira grade do curso de Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). Aproveitando toda a energia do Rio, a novidade, neste final de semana, foi o Museu do Amanhã. Fomos visitar o museu na praça Mauá, Rio de Janeiro, no sábado, já bem à tardinha. Para onde vamos? é uma exposição futurista, orientada fortemente na velocidade e nos desenvolvimentos tecnológicos do nosso século.
ARQUIVO PESSOAL DE MARÍLIA MENDES-DEZ. DE 2015
O Museu, em matéria de recursos tecnológicos e investimentos em projetos sustentáveis muito chama a atenção. Entretanto, as exposições que deram o ponto de partida para a inauguração do museu são quase todas temporárias. Foi impossível ver tudo, já que o museu contou com a entrada gratuita até domingo. 
Estava muito cheio, mas escolhemos visitar três grandes exposições: PERIMETRAL, É PERMITIDO PERMITIR, que discute e desafia o público com a ideia do "Copylight Factory" e a FREE BEER, com o laboratóro de cerveja. Infelizmente, não pude ver a exposição PASSEIO DAS BARATAS, que leva o público a rastejar pelo museu. Parece muito divertido. A alusão às baratas deve estar associada, sem dúvida alguma, ao chamado principal para as questões ambientais. No museu, o fator ambiental está bem evidente e proporciona, sim, uma excelente reflexão, muito embora, o refletir esteja seguindo uma linha, também fora do museu.
ARQUIVO PESSOAL DE MARÍLIA MENDES-DEZ. DE 2015
O museu é do AMANHÃ- uma infraestrutura de primeiro mundo, embora a educação e a saúde pública no nosso país ainda pareçam estruturas do passado. Cabe, aqui, uma visão que questiona o superproduto, que é o museu, e suas vertentes: estar ao alcance de uma significativa transformação urbanística, ao cubo da vida, literalmente "sobre pele" e uma quantidade infinita de indagações em 360 graus. Gostei do origami e do jogo das  civilizações. As exposições são interativas e, na perspectiva do futuro, elas esbanjam fascínio e beleza, sendo que, a partir de amanhã, pela bagatela de 10 reais. Estudantes pagam meia. Aproveitem!
Encontramos um artista popular cantando as músicas dos Beatles logo na entrada da praça Mauá. Sua voz era muito parecida com a do cantor americano Krystke Warren. Parei para ouvir e, por assim dizer, imaginar que eu poderei sentir, se Deus quiser, esta mesma atmosfera in loco. Deixei o Rio, antes de seguir para a rodoviária Novo Rio e acomodar-me em uma poltrona pouco confortável,  com a imagem mais expressiva de todas. Tão significativa imagem de tão vulnerável que é a vida. Frágil como um castelo de areia, mas provida de incomensuráveis sonhos. 
                                          Professora Marília Mendes


2 comentários :

Lila,
que 2016 seja tão revolucionário como o ano que se vai. Você é inovadora, culta e sensível. Vou ver este museu só porque você recomendou. A virada do ano ano será no Rio, com meus filhos.
Beijo grande, amiga.
Carlos Alexandre

Que blog lindo, amiga querida. Quero conhecer este museu.
Que maravilha.
2016 será um encanto.
Abraços
Sarah

Postar um comentário

O Café Contexto agradece a sua visita!

Café Expresso