23 outubro 2011

O uso da internet na redação do Enem

Posted by Blog Café Contexto On 18:09 No comments

O tema da redação do Enem deste domingo foi o uso da internet e a relação entre informações públicas e privadas. Eu diria que o tema já era esperado, dado o uso frequente das redes sociais como ferramentas pedagógicas, políticas, pessoais, entre outros.Aproveito a oportunidade e apresento a relação possível e eficiente que pode ocorrer entre escola e internet a partir das minhas experiências.

Explorar o tema Linguagem e Tecnologia tornou-se interessante e necessário para a elaboração de aulas de Português mais dinâmicas e atraentes . Relacionar escrita e leitura com a possibilidade de novas tecnologias cria um novo contexto, unindo escola e mídia, no que  infere reflexões que dizem respeito à postura que os professores e as escolas podem ter , quando acolhem práticas pedagógicas virtuais e decidem por aplicá-las, a partir do aparato tecnológico de que fazemos uso na atualidade. 

O que falta exatamente, para que o discurso eletrônico seja eficiente dentro de uma instituição de ensino, capaz de convencer alunos , professores e coordenadores a buscarem no hipertexto uma nova forma de explorar a linguagem? Como incorporar as redes sociais na prática de sala de aula, de forma objetiva e também eficiente , propondo através delas, a produção de textos, estudos de gramática , criação de vocabulários de forma interativa, fazendo com que , de fato, o saber seja compartilhado ?

São questões que, por mais que sejam discutidas, merecem um novo olhar por parte do professor, que busca explorar a relação da escrita com a oralidade , fazendo uso do computador em suas atividades com finalidades pedagógicas.

Considerando que os professores ainda não se sentem efetivamente à vontade, ao utilizarem os novos gêneros digitais como objetos de ensino, talvez por despreparo ou pelo próprio conservadorismo do sistema em que se encontram inseridos, digitalizar seus conteúdos e, principalmente , compartilhá-los com os alunos, continua sendo uma tarefa difícil de se encarar no ambiente escolar, o que nos leva a repensar alguns aspectos da própria educação.

Em geral, as aulas de língua portuguesa , que sempre se utilizam dos mesmos recursos didáticos como livro, lousa, giz e caderno, trazem um notável descontentamento nos alunos, sobretudo nos adolescentes que dispõem , atualmente, de outras formas de comunicação mais ágeis e constantes em sua rotina , pouco comuns no contexto escolar e às vezes, no contexto do próprio professor, que faz parte de uma mesma cultura cibernética que ele vem tentando relacionar ao seu espaço na escola , mas consciente de que ainda não o domina completamente . Tentar utilizar esse espaço cibernético na escola é uma realidade, mas que, quando os recursos são mal utilizados, podem desconstruir o real sentido do conteúdo a ser alcançado. Como menciona Marcuschi ( 2005 ) ao se referir à leitura inadequada de hipertextos que podem confundir o leitor, que ele chama de hiperleitor, levando-o ao abandono da leitura em meio a tantos links.

Em recentes experiências ,  tenho observado que a direção e a coordenação das escolas exigem novos recursos para a promoção de aulas mais atrativas e até há um investimento considerável em laboratórios de informática cada vez mais sofisticados, sendo um computador por aluno, mas que na prática , são espaços que se tornam apenas mais um ambiente de decoração ou que são meramente utilizados nas aulas de informática. Por um lado, existe um sistema que deseja uma escola inserida no contexto digital , mas que não compartilha claramente do desenvolvimento das atividades propostas pelos professores ; por outro lado, temos alunos intrigados com a forma com que os professores utilizam os recursos midiáticos em suas aulas , diante de acessos restritos e , em alguns casos , apenas para leitura, sem interagir produzindo, criando ou recriando, deixando-os na mesma condição de leitores passivos. Já presenciei aulas em que os alunos já encontravam a tela do computador pronta e, a partir da leitura do que estava salvo , fariam a atividade, sem o trabalho de sequer digitar ou usar a internet. O uso da internet era proibido pelo professor que temia o acesso indevido de outros sites em suas aulas.

A utilização de gêneros textuais chamados emergentes no ambiente escolar, ainda de acordo com Marcuschi ( Apud 2005 ) , exige repensar o discurso eletrônico que tem sido utilizado na interação digital . Alguns gêneros como o e-mail, os chats , vídeo-conferências , blogs e miniblogs estão, certamente, mais presentes na vida dos estudantes e da sociedade em geral. O que implica em um olhar cuidadoso do professor na escolha das ferramentas das quais fará uso em suas aulas, ou seja, há a necessidade de se atentar à elaboração de práticas que tenham finalidade pedagógica, mas que não tirem do aluno a capacidade de se tornar sujeito no contexto em que se encontra, capaz de criar, fazer e agir na realização das tarefas. É possível discutir um conteúdo , tirar dúvidas ou até mesmo promover encontros de alunos , utilizando as tecnologias de informação para a construção coletiva do conhecimento. Partindo dessa ideia, acredito ser possível a feitura de aulas de Português ou de Inglês proveitosas e interessantes ao mesmo tempo, usando a internet como objeto de ensino.
(Texto integrante do meu projeto pessoal )
                                                   Professora Marília Mendes 

Atenção: É expressamente proibida a cópia deste texto  sem a autorização da autora, bem como a cópia parcial dos trechos do post, que somente será permitida mediante prévia autorização da autora e com os devidos créditos atribuídos.
                       Postado por Marília Mendes em 23/10/2011

Referências Bibliográficas

Buzato, M. E. K. (2001) Sobre a Necessidade de Letramento Eletrônico na Formação de Professores: O Caso Teresa. In: Cabral, L.G, Souza, P., Lopes, R. E.V. & Pagotto, E.G (Org.) Lingüística e Ensino: Novas Tecnologias . Blumenau: Nova Letra: 229-267.

COSCARELLI, C.; RIBEIRO, A. E. (Org.) Letramento Digital: aspectos sociais e possibilidades pedagógicas. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

SNYDER, I. Ame-os ou deixe-os: navegando no panorama de letramentos em tempos digitais. In: ARAÚJO, J.C; DIEB, M. (Org.). Letramentos na web: gêneros, interação e ensino. Fortaleza: Edições UFC. 2009, p. 23-46. Disponível em: Letramentos na web: gêneros interação e ensino.


0 comentários :

Postar um comentário

O Café Contexto agradece a sua visita!

Café Expresso