15 maio 2012

A poesia feminina de cada dia

Posted by Blog Café Contexto On 16:05 1 comment

 ( Página em construção )

A essência da poesia que elas fazem resgata toda a expressão do lugar da mulher em diferentes fases da Literatura . São mágicas e fazem truques poéticos. Eu não saberia definir quais palavras muito me inspiram ou me completam no que elas fazem. Como também não saberia definir a sensação que é ler cada verso, afinando o substrato de uma poesia interiorana, materna, refeita, amorosa, sensual ou de "carregar bandeiras". É assim que me sinto, quando leio essas mulheres. É um misto de alegria e de admiração. Conhecê-las é um exercício de amor à Literatura, porque elas são divas e divas não se definem. Ama-se sem buscar os porquês. Ama-se com fé, porque só a fé não costuma falhar.

                                                                              Professora  Lila Mendes

A beleza de Clarice
Ah, e dizer que isto vai acabar, que por si mesmo não pode durar. Não, ela não está se referindo ao fogo, refere-se ao que sente. O que sente nunca dura, o que sente sempre acaba, e pode nunca mais voltar. Encarniça-se então sobre o momento, come-lhe o fogo, e o fogo doce arde, arde, flameja. Então, ela que sabe que tudo vai acabar, pega a mão livre do homem, e ao prendê-la nas suas, ela doce arde, arde, flameja.

in "Onde estivestes de noite" - 7ª Ed. - Ed. Francisco Alves - Rio de Janeiro – 1994

 ISSO É MUITA SABEDORIA

Quando fazemos tudo para que nos amem e não conseguimos, resta-nos um último recurso: não fazer mais nada. Por isso, digo, quando não obtivermos o amor, o afeto ou a ternura que havíamos solicitado, melhor será desistirmos e procurar mais adiante os sentimentos que nos negaram. Não fazer esforços inúteis, pois o amor nasce, ou não, espontaneamente, mas nunca por força de imposição. Às vezes, é inútil esforçar-se demais, nada se consegue;outras vezes, nada damos e o amor se rende aos nossos pés. Os sentimentos são sempre uma surpresa. Nunca foram uma caridade mendigada, uma compaixão ou um favor concedido. Quase sempre amamos a quem nos ama mal, e desprezamos quem melhor nos quer. Assim, repito, quando tivermos feito tudo para conseguir um amor, e falhado, resta-nos um só caminho...o de mais nada fazer.

A bela adormecida em  Adélia 

 Estou alegre e o motivo beira secretamente à humilhação, porque aos 50 anos não posso mais fazer curso de dança, escolher profissão, aprender a nadar como se deve. No entanto, não sei se é por causa das águas, deste ar que desentoca do chão as formigas aladas, ou se é por causa dele que volta e põe tudo arcaico, como a matéria da alma, se você vai ao pasto, se você olha o céu, aquelas frutinhas travosas, aquela estrelinha nova, sabe que nada mudou. O pai está vivo e tosse, a mãe pragueja sem raiva na cozinha. Assim que escurecer vou namorar. Que mundo ordenado e bom! Namorar quem? Minha alma nasceu desposada com um marido invisível. Quando ele fala roreja quando ele vem eu sei, porque as hastes se inclinam. Eu fico tão atenta que adormeço a cada ano mais. Sob juramento lhes digo: tenho 18 anos. Incompletos.

1 comentários :

Que lindo LILA. Amei!
Cristina Aguilar

Postar um comentário

O Café Contexto agradece a sua visita!

Café Expresso